terça-feira, 18 de agosto de 2009

Por que não vemos garçons em um PUB?



Não poderia escrever sobre a vida nesta cidade sem dedicar algum espaço a uma atividade central na cultura inglesa, frequentar um PUB. Um brasileiro poderá jamais ter entrado em um barzinho na sua vida, o que e um tanto improvável, mas aqui será simplesmente impossível evitar. Por esta razão é que pretendo explicar aqui certas regras de comportamento comuns nestes ambientes (não mais esfumaçados) para ajudar a entender um pouco mais sobre os ingleses e esta cidade.

A Public House, conhecida por Pub, é uma instituição inglesa. Sua importância histórica até os dias de hoje não pode deixar de ser enfatizada. Ela ultrapasse os limites do simples divertimento para servir a outro propósito: um espaço sagrado de interação social. O Pub é um dos raros locais onde é convencionalmente permitido iniciar uma conversa com um estranho. Contudo, existem certas “regras” de comportamento e muros invisíveis a outros estrangeiros. Apesar de ser um momento de diversão, de quebra das normas diárias de privacidade, esta liberdade se restringe a determinados espaços: ao balcão do bar. Como isso acontece? Você irá perceber que neste país se faz fila (e se respeita) para tudo, com exceção na hora de pedir uma bebida. E justamente neste momento um tanto confuso e neste espaço confinado que eles aproveitam para flertar, comentar, brincar, trocar sorrisos ou puxar uma conversa com alguém. Esta descontração se estende não muito além das mesas próximas ao balcão. As mesas que se encontram mais afastadas são vistas como áreas privadas.

Isso tudo pode parecer esquisito, incomum, ate exagerado, mas depois que você entende o alto grau de timidez do povo inglês e a necessidade de ter regras, as coisas começam a fazer mais sentido.

Os pubs são frequentados por pessoas de todas as idades, classes sociais e níveis educacionais. Eles seguem fechando as 23h30, com o ultimo pedido até as 23h. O horário de pico é entre 17h e 19h. Para pedir uma cerveja, não peca uma “beer” como nos Estados Unidos. Aqui se pede uma PINT (medida de 425mil) + tipo/marca de cerveja. Ex: Can I have a pint of lager/Stella Artois, please?. Certamente você não tem este costume porque no Brasil se pede somente pela marca do produto. Para facilitar sua vida veja os tipos mais comuns de cerveja: LAGER, BITTER, ALE e STOUT (Jogue no google para saber mais sobre cada uma delas, caso tenha interesse no assunto). A mais próxima das cervejas brasileiras, como a Brahma ou Antártica, são as “Lagers”. Um exemplo de cerveja “stout” e a famosa Guinness, que e muito consumida aqui e é uma paixão dos irlandeses.

Para chamar a atenção do atendente o ultimo que você devera fazer e gritar, gesticular e muito menos reclamar se houver demora em ser servido. Aqui prevalece outra das regras invisíveis de conduta em um pub: somente os frequentadores habituais tem esse privilégio. Se você não faz parte dessa categoria, então basta um simples contato de olhos segurando o dinheiro ou copo vazio na mão para que ele perceba que você esta aguardando ser atendido. Não poupe a palavra “please” e nem “thank you”.

Há pubs que eu costumo chamar de “só para locais”, onde, embora não esteja explicito isso, nem todos são bem vindos. Já tive experiência de entrar nestes locais de bairros e sentir uma certa indiferença e até hostilidade no tratamento. Alguns destes pubs reúnem uma pequena minoria de ingleses mais radicais que ainda ostentam nos vidros de seus carros as bandeiras de *Saint George (patrono da Inglaterra) como um escudo pra se diferenciar do resto do mundo. Com o tempo você saberá distinguir em quais não deve entrar.

Muitos pensam num tradicional pub inglês de esquina, todo acarpetado, escuro, com aquele enorme balcão de madeira. Estes ainda existem e alguns apesar de terem mais de 250 anos, estão em perfeito estado e são charmosos. Mas se vê cada vez mais pubs com um estilo moderno, com uma decoração mais leve e em locais com vista para o rio Tamisa. Alguns pubs por estarem localizados próximos ou no coração dos centros de negócios (Canary Wharf, City, etc) costumam atrair um perfil mais executivo de frequentadores durante os horários de pico, para o famoso happy hour. Homens de terno e gravata são a maioria, mas se você chegar vestido de bermudas não será mal atendido e ninguém irá notar sua presença. Outros pubs em bairros mais “alternativos” como Brick Lane ou Camdem Town,atraem grupos mais descontraídos de pessoas de todos os estilos de vida e profissões. Os preços costumam ser ligeiramente mais baixos do que estes pubs executivos e muitos apresentam DJs ou bandas tocando ao vivo.

Se você até aqui entendeu a quantidade de pequenas regras, códigos de condutas e hábitos que existem neste pequeno universo etílico, e o papel que ele exerce na cultura local, vai entender porque a presença de um garçom que acomoda os clientes em mesas separadas e toma pedidos e tão dispensável.

***O livro Watching the English por Kate Fox é uma excelente fonte para conhecer a fundo a cultura inglesa.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Mulheres, não tragam todo o guarda-roupa pra Londres


Isso vale para muitos homens,também .....

Já se esperava que este fosse um dos verões mais quentes dos últimos anos e as previsões estão se confirmando. Temos tido dias bem quentes desde o inicio da estação e pelo jeito seguirá ate o final com temperaturas entre 18 e 24 C. Houve dias em que os termômetros marcaram 29 graus, com todos os parques lotados e o povo tentando sobreviver a base de muita “lager” ( um tipo de cerveja clara, como a Brahma, etc), só que para nossa sorte, as noites são de temperaturas amenas, entre 17 e 20C e, portanto, não temos necessidade de ter ar condicionado em casa para suportar o calor. Se não fosse assim, seria o inferno, já que não estamos preparados para altas temperaturas.

Muitos ainda me perguntam sobre o fog londrino. Mais um exemplo de como ficam registradas na nossa mente imagens de filmes clássicos como do Sherlock Holmes ou Jack stripador. Eu passei alguns meses na cidade de Canela, na serra gaúcha e garanto que vivi mais dias de fog lá durante poucos meses de inverno do que os dez meses de frio aqui em Londres. Dias gelados sim, têm muitos, abaixo de zero muitas vezes e com um vento de rachar, principalmente se estiver perto da beira do Thames. Neve e menos comum, mas tivemos uma das maiores nevascas da historia no mês de janeiro. A cidade literalmente parou. Escolas fecharam por dois dias, o comércio funcionou parcialmente e os parques lotaram de gente deslizando com skis, snowboard ou pedaços de papelão. Foi uma festa pra quem não precisou trabalhar.

O que nos salva aqui é um excelente sistema de aquecimento nas casas, locais públicos e transporte. Em locais fechados podemos estar vestindo apenas uma roupa leve e , muitas vezes, até sentimos calor. (em geral isso não se aplica às mulheres sempre com frio e um casaquinho a tira colo. Há exceções :):). Como o frio só se torna desagradável mesmo quando você esta na rua, basta usar um bom casaco, como um, sobretudo, que estará bem vestido e protegido, sem necessidade de usar camadas e mais camadas de blusões de lã por baixo. Além de desconfortável, é irritante entrar num vagão lotado pela manhã, onde mal se consegue mexer, e ainda ter que aguentar o calor insuportável.

Dica: não traga muita roupa para cá porque o preço do vestuário aqui nem se compara ao do Brasil. É muito mais baixo e de uma variedade e qualidade que impressiona. Você não necessita de uma grife para andar bem vestido. Aliás, as pessoas, no geral, fazem pouco caso ao estilo de roupa que você usa. Há pessoas que chamamos aqui de vítimas da moda, mas isso você vê em todo lugar. Mas, ninguém olha você de cima a baixo quando entra numa loja. Se produzir para ir passear num shopping center soa tão bizarro quanto imaginar alguém usando sapatos de salto alto na beira da praia. Portanto, gastar fortunas para chamar a atenção ou não fazer feio é algo que você não tem que se preocupar. Use o que gosta e que o faz e sentir-se bem. Troque de roupa todos os dias ou repita a mesma por semanas e não fará muita diferença. Se você não circula no meio da moda, ou não necessita se enquadrar em um código de vestimenta empresarial, é desnecessário desfilar modelitos caros. A não ser, claro, que a moda seja sua paixão e você tenha condições de gastar com grandes marcas. Fora isso, são tantas opções de boas marcas menos conhecidas que as grandes marcas acabam sendo mais consumidas por turistas. Quando fiz uma extensa pesquisa para meu trabalho de conclusão da faculdade, sobre o Mercado do Luxo, conclui que quem movimenta o mercado das grifes são as classes emergentes ou como chamam aqui os “nouveau riche ” .

Se sua viagem já está marcada e ainda não sabe bem o que trazer, pense que você terá uma média de temperatura entre –5 e 12C durante dez meses e nos dois meses restantes, entre 15 e 22C. Se faltar roupa, só dar uma passadinha na Oxford Street e comprar algo nas eternas promoções.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Como comer mal e ganhar peso extra em Londes



Quando criei este blog pensei que não teria assunto por mais de algumas semanas. Para minha surpresa, percebi que não tem fim a quantidade de duvidas sobre a vida aqui nesta cidade. Pelo jeito, este espaço seguira ativo por alguns anos ainda.

Uma das reclamações mais comuns que ouço de brasileiros é sobre a comida. Tanto dos que vem a turismo ou dos que já vivem aqui há bastante tempo. Este ultimo grupo não tem desculpas. Os turistas, muitas vezes, desconhecem alguns restaurantes bons e econômicos que não constam em guias e por estarem hospedados em hotéis ou pensões eles não podem fazer suas próprias refeições. Já os residentes (estudantes, imigrantes, etc) tem acesso a uma infinidade de restaurantes de todo o mundo, incluindo de cozinha brasileira e uma ampla variedade de supermercados abertos 24h.

Quero desmentir o mito de que a comida em Londres é cara e ruim.

Muitos ainda acham que em Londres só se come o famoso “Fish & Chips”( bacalhau frito com batatas fritas). Ainda existem muitos estabelecimentos que vendem esta tradicional combinação, mas há outros pratos que são típicos da cultura inglesa como o delicioso Beef Wellington(foto ao lado), Yorkhire pudding ou Cornish Pasty.

Mas você não necessita ficar restrito a culinária local quando poucas cidades oferecem tanta diversidade gastronômica quanto Londres e sem causar um rombo no seu bolso. Por ser uma cidade cosmopolita, aqui você terá a disposição uma incrível quantidade de restaurantes de todas as faixas de preços. Infelizmente as churrascarias brasileiras, como a rede Rodízio Rico que está espalhada por toda cidade, não salgam apenas aquela maravilhosa picanha ou costela, mas o preço também. Uma refeição com direito a buffet não custa menos do que £23, fora as bebidas e 10%. Uma outra que é de excelente qualidade é a Churrascaria Preto que fica próximo a Victoria Station. Ou entao, venha nos finais de semana a Greenwich na banca de maior sucesso do mercado, Sons of Pampa ,do gaúcho Rafael Carletti onde ele mesmo prepara uma deliciosa picanha fatiada e servida com salada num pão de ciabatta por apenas 4,90 enquanto sua equipe prepara saborosos churros rechados de doce de leite ou chocolate que são vendidos por apenas £2.

Apesar de eu ter sido criado no Rio Grande do Sul e acostumado a comer churrasco quase todo domingo, confesso que foi aqui que aprendi a comer mais peixes e frutos do mar que são frescos e com valores bem acessíveis. Você compra um kilo de Seabass (um delicioso peixe do mar do Norte) por £6.

Se você curte cozinhar peixes e frutos do mar, faca um esforço e madrugue para conhecer um dos maiores mercados do gênero no mundo, o Billinsgate Market (fica próximo a estação de Canary Wharf e abre das 5h as 8h da manhā ). Realmente é difícil descrever o que se vê por lá. São espécies marinhas vindas de paises como China, Japão, Chile, Dinamarca, Franca, Índia, etc. e um detalhe, tudo fresco. O preço muito bom mesmo. Mas, não chegue depois das 6h30 que já quase não restará nada à venda. Este mercado gigantesco abastece as principais redes de restaurantes e pequenos estabelecimentos.

Temos o costume de frequentar estabelecimentos locais. Sem sair de meu bairro, por exemplo, eu tenho restaurantes espanhóis, mexicanos, italianos, franceses, ingleses, árabes, turcos, japoneses, chineses, indianos, nepaleses e gregos. A base de preços e de 9 libras por prato num restaurante econômico e 15 libras num mais caro. Lógico que se for jantar num dos restaurantes da Kings Way, como no The Collection , o custo ficara em torno de 30 a 50 e se for de um renomado chefe ai não gastara menos do que 120 libras o prato. Se considerarmos que existem mais de mil nacionalidades diferentes nesta cidade, poderemos imaginar a relação da variedade de estabelecimentos e venda de produtos em supermercados para atender esta demanda.

Se você e como eu, que curte cozinhar, e resolver fazer um prato tailandês ou francês, você encontrara facilmente todos os ingredientes em algum supermercado de rede por um custo muito acessível e itens de excelente qualidade. O preço dos produtos alimentícios em supermercado é, em geral, mais baixo do que no Brasil e ainda mais em relação à renda. São poucos os itens que custam mais aqui.As redes mais famosas são Waitrose (meu sonho poder comprar só lá) onde só vendem produtos top de linha. Pode comprar o que quiser de olhos fechados porque tudo ali é de primeira. O preço também. Já o Sainsbury e Tesco são mais acessíveis e de ótima qualidade. O Asda (do grupo Wall-Mart), e na minha opinião o menos atraente, em termos de estilo e variedade, embora ba mesma faixa de valores. Seguindo a linha econômica, ninguém bate o Aldi e Lidl, ambos grupos alemães, que vendem por preços baixos, mas você nunca sabe se na próxima compra encontrara o mesmo produto.

Um pequeno exemplo abaixo: (Valores no Brasil aproximados)

O salário mínimo no Brasil =R$ 465 Na Inglaterra= £ 750

1 kg de espaguete
Brasil= R$ 2, 0
Londres= £ 0,90

1kg spaguete marca Secco

Brasil=R$ 12
Londres=£ 1,60

1 lt leite integral
Brasil= R$ 2,56
Londres=£ 0,70

1 barra de chocolate Nestlé
Brasil=R$ 4,50
Londres=£ 1,0

Um exemplo absurdo da diferença de valores foi quando vi durante a páscoa ovos de chocolate, tamanho médio custarem mais de R$ 20 (£ 6,0) sendo que aqui um de melhor qualidade custava £ 1, 20.


Se você fizer a relação de quantos porcento em relação ao salário mínimo custam os produtos ira notar que no Brasil se gasta muito mais.

A melhor opção para se economizar e comer bem e fazendo suas refeições em casa, por isso, lembre que se optar por casa de família, mesmo por pouco tempo, sempre escolha uma “self catering”,que permite que se utilize a cozinha.

O que realmente assusta são as pequenas lanchonetes que vendem fast-food ou kebabs gordurosos em lugares depressivos, de péssimo aspecto, que se encontram em todas as avenidas . Assim como temos no Brasil os famosos botecos de rodoviária vendendo pasteis escorrendo óleo, infelizmente aqui também temos estes locais infames e que devemos sempre evitar, a não ser que pretenda realmente fazer jus a fama de se come mal aqui e queira ganhar alguns kilos.

sábado, 1 de agosto de 2009

Como são tratados os brasileiros na Inglaterra?

O que vou escrever aqui se aplica a todas as perguntas do tipo: Como são tratados os negros, japoneses, brancos, ruivos, amarelos, roxos e todas as cores e raças que existem.

A resposta e muito simples: da mesma maneira. O que significa isso? Que todos são tratados de formas iguais? Não. Assim como você também não e e nem tampouco será, independente de onde viver. O que eu quero dizer aqui e que somos tratados bem ou mal de acordo com a nossa atitude e o ambiente a nossa volta.

E como ficam os brasileiros que foram mal tratados em restaurantes e diversos estabelecimentos aqui? Da mesma forma como ficariam os franceses, italianos, alemães, chineses e ate mesmo os ingleses. Ser bem tratado não e privilegio de algumas nacionalidades e nem muito menos de sua raça. Assim como muitos são bem recebidos nos mesmos lugares que outros não tiveram a mesma sorte. A questão toda vai depender de inúmeros fatores como o humor da pessoa que lhe atender, o tempo que ela dispõe, a forma como você ira abordar ela, do movimento de pessoas que estiverem ao redor, etc. E simplesmente impossível você prever como será tratado , não importa em que canto do mundo estiver. Você já não foi tratado de maneira mais indelicada por algum amigo? parente? Ate mesmo por seus pais? E o que dizer dos irmãos? Quantas vezes já somos tratados de forma indiferente no nosso ambiente familiar ou escolar? Então, o que esperar de uma cidade onde vivem milhões de pessoas e cada uma vinda de uma cultura completamente diferente da outra?

Então, não espere que chegando aqui, todos deverão ser sempre sorrisos, amáveis, felizes por você estar aqui? Concordo que isto seria o ideal, mas infelizmente não e. Ao longo do nosso percurso encontraremos pessoas de todos os tipos e somos nos que devemos buscar o que nos faz bem. Se um atendente for estúpido, ou faltar delicadeza, e seu direito (para mim e um dever) reclamar. Reporte-se ao gerente ou faca uma reclamação por escrito. Sempre irão considerar isso. Comigo já aconteceu algumas vezes e eu reclamei e os funcionários foram repreendidos. Fazendo isso ajudamos a melhorar a qualidade dos serviços prestados ao consumidor.

Nas ruas, muitas vezes pedimos informações para alguém que esta com pressa ou não esta num bom dia e ficamos magoados porque ela não foi simpática. Isso e muito cultural. Ate mesmo no Brasil já vi gente ser antipática na rua dando informações, isso quando não te mandam para o lugar errado.

Para finalizar, digo apenas que jamais considere uma indelicadeza ou frieza como algo pessoal, contra sua nacionalidade, raça ou cor de pele. Esta pessoa teria feito a mesma coisa se fosse alguém do seu próprio pais. O que existe aqui e uma indiferença generalizada. Algo que e muito bom,por um lado, já que ninguém se mete na sua vida e nem te questiona, mas ruim porque faz você se sentir um pouco isolado (para alguns isso e bom também ). Infelizmente, neste ponto eu não poderei ajudar, pois cabe a cada um aprender a entender e conviver com isso.