quinta-feira, 30 de julho de 2009

Comunidade no Orkut e uma farsa!

Ola pessoal

Estou saindo da comunidade EU VOU PRA LONDRES, depois de ter denunciado a moderadora Kelly que seguidamente deletava minhas mensagens. Não demorei em concluir que ela era de uma empresa de intercâmbios chamada DAQUIPROMUNDO.

Tudo que era contra o interessa dela ela apagava. Muito justo não acham?

As raras vezes que divulguei minha empresa que representa uma universidade aqui, ela retirou sem me informar nada.

Pois quem perde são os leitores com sede de informações verdadeiras e não maquiadas para que ela possa vender seus pacotes de intercambio.

Meu blog seguira sendo atualizado todas as semanas e estará aberto para que vocês façam perguntas sobre qualquer assunto sobre Londres.
www.viverlondres.blogspot.com

Aguardo sua visita!

Preciso de acomodação urgente: um pesadelo para todos!!

Quero só começar agradecendo de coração a todos que lêem meu blog e enviam mensagens parabenizando ou aqueles que mesmo discordam de meu ponto de vista. O que eu quero mesmo e informar de forma mais precisa que puder ,mostrando a vida como ela e aqui e nao como aparece nas poesias de Lord Byron ou Romances de Emily Brontë, de um tempo que ja se foi. E minha intencao tambem promover debates e provocar a emoção em quem lê. As vezes fico imaginando qual seria a fisionomia de quem esta lendo meus artigos. Alguns eu sei que devem ficar chocados, outros indiferentes, outros acham engraçado e outros ficam indignados porque vou contra alguma crença que tenham. De qualquer forma, todos aprendemos algo novo. Eu principalmente, através de vocês.


Se realmente existe um assunto que enlouquece todo mundo que esta envolvido na área de intercâmbios e sem duvidas a ACOMODACAO. De todos os aspectos que fazem parte de uma viagem de estudos este e o que possui maior índice de probabilidades de apresentar problemas e muitos deles, bastante sérios.

O que eu vou comentar aqui, e espero que tenha paciência de ler ate o final, se baseia inteiramente em experiências vividas por mim durante nove anos como especialista em intercâmbio e Consultor Internacional trabalhando em uma escola inglesa. O que pretendo mostrar aqui e como a escolha de uma acomodação adequada e algo extremamente complexo e como podemos minimizar problemas que irão poupar o aluno, a agencia, a escola, a família, os pais do aluno e principalmente a família que esta recebendo ou o locatário do imóvel de enfrentar momentos difíceis e ,em muitos casos, constrangedores. Já presenciei brigas entre alunos –escola, escola- famílias, famílias-agentes, agentes- alunos, etc. e acreditem, são discussões e desentendimentos muito difíceis de se resolver, pois envolvem questões culturais e conflitos de personalidade. As vezes era o cachorro que latiu, as vezes o aluno que ficou trancado do lado de fora sem chave, as vezes e o dono da casa que estava andando em trajes menores, as vezes era o marido da dona que deu em cima da aluna, e ate em alguns casos, a cor da cortina e do sofa que era feia.

Em primeiro lugar, destaco os tipos mais comuns de acomodações para estudantes vivendo aqui no Reino Unido:
- Casa de família
- Residência estudantil
- Quarto em casa compartilhada
- Apartamento (studio)


Uma viagem de estudos envolve um grande numero de variáveis. São muitos aspectos a serem considerados e trabalhados ate que este evento se concretize. Todo estudante necessitara de um lugar para viver. A grade maioria não se importa com a casa onde ira viver, desde que ela seja limpa, próxima do metro, próxima da escola (de preferência do lado), custe pouco, tenha poucos brasileiros, tenha poucos moradores, ninguém use drogas, e para finalizar que a residência tenha algo que ninguém sabe viver sem , INTERNET banda larga e WIFI ( incluída nas contas). Podem observar que são “apenas” estas exigências. Claro, alguns mais exigentes querem uma decoração “clean” e quando se trata de casa de família (Homestay) que a família seja legal, converse bastante em inglês e de preferência sejam Ingleses (não Indianos, já que muitos não consideram os indianos como ingleses, mesmo tendo nascido aqui). Existem outros que são um pouquinho mais exigentes e querem tudo que mencionei acima e ainda que a família não tenha animais domésticos e que sejam vegetarianas. Tem ainda alguns alunos, mais especiais, que alem de tudo isso, exigem famílias católicas ou protestantes. E a lista segue.

Analisando estas “simples” exigências feitas por alunos ( ou muitas vezes feitas pelos pais dos alunos ou responsáveis), podemos constatar que e uma tarefa árdua , quase uma missão impossível para os agentes, consultores e mesmo as escolas encontrarem acomodações que atendam as necessidades desses alunos.

CASA DE FAMILIA (Home Stay)

O item mais caro do custo de vida na Inglaterra e a moradia. As famílias locais gastam a maior parte de suas rendas pagando a hipoteca das suas casas. Apartamentos de 1 dormitório aqui custam o equivalente a apartamentos de 5 dormitórios com piscina no Brasil. Para não citar outros preços extravagantes. O espaço aqui vale ouro. A partir daí, se pode pressupor que quem recebe alunos estrangeiros em suas casas, são famílias que necessitam dessa renda extra para cobrir as suas despesas mensais. São raríssimos os casos de famílias que hospedam estudantes pelo prazer da socialização. Isso acontece frequentemente no Brasil. O estudante chega na cidade e a família brasileira vai no aeroporto com faixa de bem vindo, leva almoçar na melhor churrascaria pra exibir a fartura, leva no futebol, nos amigos, nos shopping centers de luxo, enfim desfila com ele por tudo que e lado e ainda acha estranho que ele fique com cara de espantado, achando que estão querendo algo dele com tanta gentileza.. Lógico, isso jamais ira acontecer aqui, salvo casos extremos, de uma sorte enorme. Não estão acostumados a serem bons anfitriões. Não e cultural, não e comum em nada isso. Famílias se vêem somente em ação de graças e natal e algumas ocasiões especiais. Se isso choca você, se prepare porque muitas outras coisas irão chocar também. Isso e aprender, isso e crescer. Ver que a forma como vivemos, não e a única certa ou errada. Aqui delicadeza com estranhos e oferecer uma taca de chá e bater um papo de alguns minutos, sem se aprofundar. Imaginava isso? Espero que sim porque isso ira tirar poupar você de desilusões. Quero enfatizar que não são todas assim, mas a grande maioria delas não se envolve em nada com o hospede. Nestas casas de família. Você ira conviver também com outros estudantes de outras nacionalidades. O que e muito interessante.Você ficara muitas vezes surpreso de saber que a dona de casa mal para em casa e em muitos casos e separada(algo muito comum aqui) e sem filhos. Ira notar que as famílias são pequenas e família aqui quer dizer pai ou /e mãe e filhos. Esqueça tios, avos, cunhados, padrinhos, primos, agregados, etc. Poderá achar estranho que em muitas casas terá chuveirinho na banheira e não aquela ducha enorme. Certamente ira estranhar a comida e o ritmo de vida. E tanta coisa que precisaríamos de um livro detalhando tudo que se diferencia do Brasil. Mas isso pode ser bom ou ruim de acordo com o que você cria como expectativa. E crucial manter em mente que e apenas uma nova experiência e temporária.


DICA: sempre converse com a família na chegada para saber sobre suas exigências e evite trazer presente, pois isso não e pratica comum. As chances de ma interpretação são enormes. Seja discreto evitando contar toda sua vida a não ser que a pessoa demonstre interesse real em sua historia. Muitas vezes, as pessoas de origem inglesa, são reservadas e de pouca conversa. Quando viajam muito em geral são mais abertas ao dialogo e bastante interessadas em saber sobre sua cultura. Use seu “feeling”. Se for alérgico a certos alimentos, animais, etc, deixe claro isso na escola ou agente antes de fechar acomodação.

QUARTO EM APARTAMENTOS COMPARTILHADOS.

Uma casa com cozinha e banheiros limpos, sala organizada, quartos e camas sem o odiado “ bedbug”,pessoas legais, preço acessível, próximo a metro. Isso que você procura? Legal, eu diria que quase todos querem isso..ou a maioria...Quantas casas atendem esta exigência aqui? Poucas em relação as que não atendem! E extremamente difícil conciliar tudo isso. Limpeza e um aspecto muito complicado porque uns bagunçam e não limpam, outros não bagunçam e não limpam e finalmente outros que odeiam sujeira não bagunçam e limpam por todos. Injusto, não? Mas acontece todo tempo nas casas com estudantes. Sem contar que em algumas, muitos usam drogas, daí a coisa fica mais difícil ainda. Outras casas tem tudo de bom, mas ficam longe do metro. Assim, pode-se perceber frente a estas circunstancias, querer tudo e um direito , mas aceitar a realidade e as limitações e um sinal de sabedoria e bom senso.

DICA: nunca, jamais fechar acomodação sem visitar o local, o bairro, ver o transporte e saber sobre os moradores. Ver a política da casa, algumas tem regras explicitas escritas sobre comportamento e rotina de limpeza. Assista o filme ALBERGUE ESPANHOL e terá uma amostra do que e viver em uma casa de estudantes , mesmo sendo rodado em Barcelona.


A conclusão que eu cheguei e a seguinte: Não existe solução para este problema da Acomodação. Se não houver conscientização, principalmente econômica, cultural e social!

Econômica: estar ciente de sua condição financeira e saber que o bom quase sempre custara mais caro.Estar preparado para não ter o melhor. E muito menos que a moradia terá padrões semelhantes a sua.

Cultural: O vão entre a cultura européia e latina e gigantesca. Os valores são outros, portanto, prioridades, necessidades e forma de ver as coisas mudam.Isso inclui a comida, vestuário, limpeza, decoração, horários, e assim por diante.

Social: Senso de comunidade neste pais e forte. São individualistas, aparentemente egoístas, mas são voltados a questões sociais. Podem não ajudar o aluno hospede em nada, e na mesma hora sair as ruas para fazer voluntariado, recolhendo fundos para ajudar crianças com câncer. Podem não sorrir no café da manha, mas depositam todo mês um volume gordo pra ajudar a cruz vermelha. Parece contraditório, mas exige analise mais profunda que não vem aqui ao caso.

Pense sempre que você veio para viver uma nova vida, seja por 1 mês ou 1 ano. Esqueça comparações. Se a coisa for insuportável, busque outro local com menos problemas para viver e be happy!!

Existem muitas agencias de acomodações e sites como www.gumtree.com .Se precisar posso indicar algumas,ao menos as que eu conheço e são mais confiáveis.Mas não espere milagres.

Boa sorte!!

quinta-feira, 16 de julho de 2009

A Tragedia e o motor da midia: Brasileiros em Londres

Há um assunto que vem me incomodando nos últimos dias, mas não pretendo entrar a fundo nele porque este espaço e voltado principalmente para informar e orientar aqueles que pensam em vir a Londres seja como turista, estudante ou imigrante, não discutir o poder dos meios de comunicação. Mas, acredito que poderei ajudar muitos a refletirem de forma lógica e objetiva. Trata-se das matérias e reportagens negativas que vem sendo feitas sobre Londres e deixando muitos de cabelo em pe, principalmente os pais dos intercambistas.

Não e nenhuma novidade que a mídia se vale de sensacionalismo para vender. Tudo que e tragédia infelizmente vende. A mídia não mede esforços para denegrir a imagem publica de uma pessoa ou nação, quando há interesses por trás. Seria muito bom se o que vou dizer aqui pudesse ser compreendido por todos e pudesse servir de base para tomar decisões. Contudo, sei que muitas pessoas ainda são fortemente influenciadas pelo que a TV diz, os jornais escrevem e o que alguns ainda falam sem levar em conta fatos e sim suposições.

Crise existe, não podemos negar. Seja social, cultural ou moral. O mundo vem atravessando crises desde que existem pessoas aqui vivendo. Em todos os níveis que se possa pensar. Crise e a alavanca da mudança. Se não existe a crise, estagnamos, não nos movemos para frente. Não sentimos necessidade de reavaliar e buscar novas alternativas para adaptar-nos a uma determinada situação que se apresenta. Isto e crescimento. Portanto, crise antecede o crescimento. Podemos aplicar isso em todas as áreas de nossa vida.

A diferença entre uma ou outra crise e tom que se da a ela. A ênfase para atrair a atenção do público e assim provocar o medo, o pânico. Alguém ganha muito com tudo isso. Somos fantoches e dançamos conforme a musica que a orquestra toca. Contudo, cabe a nos aprender a discernir fatos reis e fatos criados para um interesse maior.

Se eu começar a considerar tudo que e dito na mídia, não sairei mais de minha casa, porque poderei pegar uma virose e morrer, poderei ser atacado por algum maníaco num parque, poderei ser vitima de seqüestro relâmpago, poderei ser atropelado por algum motorista inconseqüente. Pior ainda, se ficar em casa, poderei ser roubado e colocado de refém com minha família. Aonde chegaremos desse jeito?

Vale a pena seguir cegamente o que nos dizem? Ou o que lemos nas manchetes e muitas vezes não nos damos nem o trabalho de buscar a veracidade destes fatos? Ou e melhor acreditar que situações difíceis sempre existirão e que nossa capacidade de superação e maior do que tudo isso?


Os problemas que os brasileiros vem enfrentando aqui, seja de desemprego, falta de perspectivas, de preconceito,etc., eles estariam enfrentando em qualquer lugar do mundo, principalmente no Brasil. Vamos tentar nos colocar no lugar de alguns estrangeiros que imigram para o sul do Brasil, principalmente, os argentinos ou uruguaios. Você acredita sinceramente que eles tem muitas chances de chegar e logo conseguir um trabalho bom? Acredita que será fácil para ele aprender o idioma de forma fluente (falar e escrever) e ainda ocupar o lugar de outro brasileiro dentro de uma empresa? E se for alguém vindo de um pais pobre da América Central ou África? Quão bem acolhido ele será? E se for negro? Terá as mesmas chances?

Lógico que não. Ele necessitara aprender a língua, conhecer as características locais e ainda se superar profissionalmente para poder ocupar o lugar de outro brasileiro.

E fácil sempre reclamar que aqui muitos brasileiros estão vivendo em situações precárias ( embora nem se compare como se vive nas comunidades pobres de cidades como São Paulo ou Rio de Janeiro) e esquecem que muitos estão vivendo bem e crescendo profissionalmente. E a minoria, claro, assim como e a minoria no Brasil que fica rico ou que tem uma graduação universitária. E sem falar de outras minorias privilegiadas. Sempre haverá menos pessoas felizes porque o sofrimento e uma predisposição natural do ser humano. Muitos têm tudo para serem felizes, mas amargam frustrações de expectativas que eles mesmos criam segundo seu ideal ilusório de felicidade. Aqui também não e diferente. As pessoas vêm para a Inglaterra com ilusões de riqueza em pouco tempo. De trabalhar como escravo para ganhar o maximo que podem e voltar ao seu pais para gastar o que ganharam. Vivem em lugares sujos, apertados, sem convívio nenhum com a cultura local, não aprendem a língua e conseqüentemente não lêem jornais, não assistem TV ( a não ser canal Brasileiro), não participam da vida local. Fecham-se em seus guetos e quando estão juntos e para falar mal do pais que os aceitou e louvarem com saudades o Brasil que sempre os tratou com dignidade e respeito. Que espécie de comentários e impressões pode se esperar de alguém que vive nas condições acima descritas?

Felizmente, existe um grupo de pessoas mais conscientes e melhores educadas que começam a vir viver aqui e que ajudam a melhorar a imagem negativa que muitos deixaram nestes pais.

Admiro aqueles que, mesmo com pouca instrução, poucas vantagens financeiras, conseguiram se superar e estão se esforçando para virem para cá não atrás de dinheiro rápido, mas para serem melhores do que são, para serem melhores seres humanos, mais conscientes, melhores preparados para a vida, menos preconceituosos e menos arraigados a suas verdades condicionadas.

Antes de investirem em uma experiência destas, considerem que terão que passar por momentos menos confortáveis, de certos “sacrifícios” e nem por isso será necessariamente pior. Será apenas diferente. Se a intenção e ficar aqui ou voltar, não importa, será sempre algo positivo. Será parte de um processo de transformação para uma nova maneira de ver a vida. Os lucros são incalculáveis.